Afinal, o que é meditar?

Deixar de pensar não é querer ou esforçar-se por não pensar, é apenas observar os pensamentos com prazer e curiosidade. É a esse momento que se chama meditação.

Compartilhar nas Redes Sociais:

No mundo ocidental, o conceito “meditar” nem sempre tem a conotação mais adequada ao que ele realmente significa. Geralmente quando alguém utiliza o termo meditar quer dizer refletir, debruçar-se sobre um determinado assunto. É comum ouvirmos, por exemplo, uma expressão do tipo “esta manhã estive a meditar sobre …”. Contudo, meditar não poderia estar mais longe desta interpretação, é precisamente o oposto, é a ausência de pensamento.

Não pensar é algo extremamente difícil de entender para uma mente racional, porque ela está sempre a pensar. Esta é a principal característica da mente racional, pensar compulsivamente e de uma forma obsessiva, sem, no entanto, se aperceber que no fundo é uma patologia que pela generalização passou a ser aceite como sendo normal.

Analisar, compreender, comparar ou deduzir são as funções do intelecto; são estas que lhe dão vida, que suportam a sua existência. A mente racional não se imagina não pensar.

O indivíduo identifica-se completamente com o pensamento, com os seus ideais, opiniões e conhecimentos adquiridos através da experiência ao longo da vida. Ele está convencido de que é a sua personalidade. Não poderia estar mais equivocado, ele não é nada disso; ele é aquele que reconhece o pensamento, aquele que está a observar ou a testemunhar tudo o que se passa consigo, aquele que está por trás da tela.

Ao observar os pensamentos, e não os seguindo, ele passa de observado a observador. Torna-se uma testemunha do momento presente, como se não existisse nem o ontem nem o amanhã. Reconhece os pensamentos, mas deixa-os ir sem apegos.

Deixar de pensar não é querer ou esforçar-se por não pensar, é apenas observar os pensamentos com prazer e curiosidade. É a esse momento que se chama meditação.

O praticante só precisa de estar inteiramente presente em cada momento. Pode ser durante a realização de uma qualquer tarefa doméstica, observando todas as sensações, movimentos, sentimentos ou pensamentos; observar atentamente cada detalhe e a beleza de uma simples flor ou caminhar em silêncio observando cada pormenor da paisagem. Apenas estar, sem questionamentos ou julgamentos. Exercer a Atenção Plena.

Ao atingir este ponto e a reconhecer a sua Presença como uma Entidade Independente, o praticante está finalmente num estado meditativo. É bem simples assim, nós é que complicamos.

Sobre o autor | Website

Sou natural do Concelho de Santarém, onde resido, e como principal atividade sou Professor de Matemática. Em novembro de 2000 obtive o 1.º grau de Reiki Usui Shiki Ryoho e em 2017 tornei-me Facilitador de Cura Reconectiva®, atividade que desempenho em regime de part-time. Desde tenra idade nunca aceitei uma visão materialista e fatalista da vida, mas sim como uma oportunidade para crescer e ir mais além na descoberta da minha verdadeira identidade. O eu que eu julgo ser, não sou Eu, mas sim uma ilusão do ego.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!